Buscar

O osteopata e as membranas


Todo o nosso corpo está repleto de membranas que envolvem todos os órgãos, músculos e ossos em várias camadas. Por exemplo, o coração tem uma membrana designada pericárdio, os órgãos digestivos estão dentro de uma membrana designada peritoneu, os próprios neurónios periféricos (células microscópicas) estão envolvidos em membranas, as artérias, veias, os pulmões são envolvidos pela pleura visceral e parietal. Em suma o envolvimento membranoso é global, logo será útil haver um profissional de saúde que saiba trabalhar neste campo.


Mas o que é isso de uma membrana? isso come-se? Bem só se tiver bons dentes, maxila e mandíbula de Jaguar… A membrana é essencialmente tecido conjuntivo. É o que erradamente se designa por nervo quando se está a mastigar uma porção de carne mais fibrosa.


De facto, a capacidade tensional da membrana impede que a mesma seja comestível. Essa resistência à alteração de forma resulta do colagénio, proteína muito requisitada em produtos de beleza por conferir resistência à pele. A força do colagénio é baseada na água, absorvida pelos proteoglicanos e pelos glucusaminoglicanos que envolvem o colagénio. A água, com as suas propriedades físicas incomparáveis, seja o mais elevado calor-específico de tudo o que possa imaginar, seja pela osmose (osmolaridade), pela nutrição celular ou pela elasticidade constitui a vantagem da matriz de qualquer tecido conjuntivo.


A organização do tecido conjuntivo, a direção das fibras de colagénio predeterminam a sua funcionalidade. No tendão as fibras são paralelas em direção aos pontos de tração, como no tendão de Aquiles. Na pele a organização do colagénio contem várias direções, não há um vetor principal. Se for uma membrana de um órgão, a organização das fibras de colagénio é de acordo com o formato do órgão. Por exemplo, o peritoneu visceral do fígado é uma “capa” transparente que envolve este órgão.


Os ligamentos têm uma disposição das fibras de colagénio em vários planos como a pele, mas também de acordo com as linhas de força prioritárias. São semelhantes a um tendão. O ligamento é uma estrutura de tecido conjuntivo que impede a separação excessiva dos ossos: liga osso com osso e só entra em ação em situações anómalas.


O Osteopata desempenha uma função distinta dos outros Terapeutas Manuais, Médicos, Ortopedistas, Fisiatras. O seu foco é identificar e estabelecer equilíbrios membranosos (fasciais), pela perceção, avaliação e tratamento do tecido conjuntivo. Com a vantagem de todo o trabalho ser feito de forma personalizada, gentil e respeitadora da integridade corporal.


Se quiser saber mais sobre esta prática e, eventualmente, ter uma primeira consulta, contacte-me. Espero por si na Clínica Magna.


Bernardo Costa

Osteopata

(Cédula profissional definitiva n.º 100.003)

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo